Aumento da temperatura ocorre duas vezes mais rápido no Canadá

Um relatório divulgado pelo governo canadense revelou que o Canadá está esquentando em um ritmo maior que no resto do mundo. De acordo com as notícias divulgadas pelo relatório, em média o ritmo de aquecimento do país chega a ser duas vezes mais rápido do que nas demais regiões do planeta. O relatório ainda apontou que algumas partes do país já notam a mudança climática e as projeções são de que essas regiões se intensifiquem ao longo do tempo.

Outro dado apontado pelo relatório alerta que alguns efeitos causados pelo aquecimento global já se tornaram irreversíveis. No Canadá, a temperatura anual média teve um aumento de 1.7º C considerando os dados desde 1948, quando o país começou a medir as temperaturas todos os anos.

O relatório apontou que as regiões do país que mais registraram aumento de temperatura foram no Norte das Pradarias e no Norte da Colúmbia Britânica. Somente na região norte do país as temperaturas aumentaram em média 2.3º C.

“Mesmo com as variações naturais do clima, a ação do homem é a contribuição mais predominante para o aumento da temperatura média anual no Canadá”, revelou o relatório. “Podemos arriscar dizendo que mais da metade do aumento de temperatura que ocorre no Canadá está relacionado as atividades humanas e suas consequências”, concluiu o relatório.

Como consequência do aquecimento no Canadá, o país tem observado eventos meteorológicos mais extremos. As temperaturas mais altas oferecem um maior risco de ondas de calor, o que por si só já oferece o risco de incêndios e fortes secas no país. Com isso, os oceanos também sofreram, assim como toda a vida marinha de regiões próximas ao Canadá. De acordo com o relatório, a projeção é de que os oceanos se tornem menos oxigenados e mais ácidos a medida que a temperatura aumenta.

Já no caso do oceano ártico do Canadá, as projeções são de que no verão não haverá gelo nos próximos anos. Esse derretimento das geleiras do ártico canadense resultará no aumento do nível do mar, o que também contribuirá para um maior risco de alagamentos, chuvas mais inteiras, entre outros problemas ambientais.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *