Leilão da EF-170 vai potencializar logística de grãos produzidos no país

Concessão para a EF-170, a Ferrovia do Grão, espera somente o leilão para sair do papel. ANTT já publicou os documentos contendo, entre outras informações, as obrigatoriedades da empresa vencedora. Felipe Montoro Jens traz mais sobre o assunto. Acompanhe!

De acordo com os primeiros estudos, a Ferrogrão ligará as regiões Centro-Oeste e Norte em uma linha férrea com 1.142 quilômetros de extensão, entre os municípios de Sinop, no Mato Grosso e de Miritituba, no Pará. Parte deste caminho cortará uma extensa área de mata nativa, reporta o especialista em projetos de infraestrutura.

O leilão da Ferrovia do Grão

O prazo de concessão para quem vencer o leilão será de 65 anos. A companhia que deterá os direitos de exploração da ferrovia será aquela que oferecer o maior valor referente a outorga, estipulado em R$ 0,01, contudo a empresa deve ter condições de construir e manter a obra.

O empreendimento se enquadra no regime vertical de concessão, em que uma só empresa tem a gestão da infraestrutura e pode prestar os serviços de logística. Trata-se de um projeto que segue os moldes do PPI – Programa de Parceria de Investimentos, cujo intuito é fortalecer o corredor da exportação pela região Norte, que apresenta portos em que é possível escoar a produção para outros países, reporta Felipe Montoro Jens.

Apesar do baixo valor da outorga, a concessionária terá que arcar com toda a infraestrutura, o que exige um investimento estimado de R$ 12,6 bilhões. De acordo com o Portal do PPI, as responsabilidades incluem:

terraplanagem e construção da estrutura da malha ferroviária;

obras de drenagem;

obras especiais;

estrutura de energia e sinalização;

material ferroviário;

trens e demais equipamentos rodantes;

compensação ambiental e desapropriação de terras.

Importância para a produção de grãos brasileira

Felipe Montoro Jens destaca o trecho do documento que ressalta a remuneração da empresa, que virá exclusivamente do transporte ferroviário. O estudo prevê que o risco de demanda será arcado totalmente pela concessionária, contudo está prevista uma demanda alocada próxima as 25 milhões de toneladas assim que a EF-170 estiver em funcionamento.

Conforme os levantamentos do setor, os produtores de estados como o Mato-Grosso planejam transportar mais de 20 milhões de toneladas pela ferrovia até os portos da região Norte. O trecho ferroviário em questão será um ponto-chave para o transporte de soja, milho, farelo e óleo de soja, etanol, açúcar, derivados do petróleo, entre outras matérias-primas, reporta Felipe Montoro Jens.

Assim que estiver instalada, a FerroGrão deve ampliar a capacidade logística e a competitividade da região, a qual se consolida com a rodovia BR-163. De acordo com o estudo, essa BR terá seu tráfego atenuado, o que representará menores custos para sua conservação e manutenção.

O caminho formado pela EF-170 juntamente com BR-163 vai criar um novo caminho para a exportação de grãos brasileiros. Hoje, cerca de 70% do que é produzido no Mato-Grosso percorre um longo caminho até chegar aos portos de Santos (SP) e Paranaguá (PR). São mais de 2 mil quilômetros desde sua origem. O que reduzirá perdas e aumentar a competitividade, reportou Felipe Montoro Jens.

Donata Meirelles e outras 7 mulheres escolhidas pela Forbes entre as mais influentes

Na lista de 2017 divulgada pela Forbes Brasil, a revista preparou um perfil com as mulheres mais poderosas e de grande influência do país. Conheça a seguir 8 mulheres que estão presentes nessa lista e um pouco mais sobre suas trajetórias profissionais.

– Donata Meirelles

Referência em moda no país, Donata Meirelles trabalhou por quase 30 anos na Daslu, a princípio como vendedora da loja, mas sua simpatia e conhecimento em moda a levaram a ser promovida, até alcançar o posto de responsável pela seleção das marcas internacionais que seriam vendidas na loja, o que ampliou ainda mais a sua visão e entendimento sobre esse meio. Depois de sair da Daslu e tirar um breve período sabático, Donata Meirelles retornou ao mundo da moda como editora de estilo da Vogue, aceitando um convite de prestígio recebido da direção-geral da Globo Condé Nast, que comanda as operações da revista no Brasil.

 

– Eliane Cantanhêd

Jornalista firmada na UnB, Eliane Cantanhêde já passou pela redação de locais como “Jornal do Brasil”, “Veja” e “Folha de S.Paulo”, até passar a integrar o time de jornalistas que entram ao vivo no programa “Em Pauta”, da “GloboNews”, em 2011. Com tanta experiência na área, não é se espantar que o nome de Eliane tenha alcançado o Top 50 “Jornalistas Brasileiros +Admirados” de 2014 e de 2015, segundo um levantamento feito pela “Maxpress”. Ainda entre os prêmios recebidos, a jornalista também venceu em 2016 e 2017 o Troféu Mulher Imprensa, por seu trabalho como colunista.

– Fiamma Zarife

Uma das mulheres mais poderosas por trás do Twitter Brasil, Fiamma Zarife faz parte da equipe que administra a rede social desde 2015, e possui um interesse especial por tecnologia e startups desde que cursou uma especialização nos Estados Unidos, na Singularity University. Depois de começar como diretora de agências, a executiva foi promovida para o cargo de diretora-geral em 2017, e desde então atua no fortalecimento da relação da companhia com os seus anunciantes.Para estimular a crescimento da empresa nos dias de hoje, Fiamma acredita no poder da modernização na gestão, investindo assim na diversidade e na igualdade dentro do Twitter.

– Lara Brans

Há mais de 20 anos, Lara Brans entrou pada a JDR, uma multinacional de origem holandesa que está entre as líderes do mercado global na venda de chás e cafés. Com formação no curso de economia pela Universidade de Roterdã, Lara passou muitos anos no cargo de diretora regional da empresa na Austrália, até retornar para o Brasil em 2015, para gerenciar as operações da companhia do país, a qual é a proprietária de marcas de prestígio nesse ramo, como Pilão e Caboclo. Segunda maior empresa do Brasil no setor, com quase 20% do total desse mercado, a executiva exerce um papel estratégico, além de comandar mais de 1.500 funcionários e nada menos que três grandes fábricas espalhadas pelo Brasil.

– Luiza Helena Trajano

Atual presidente do conselho administrativo do Magazine Luiza, Luiza Helena Trajano é um dos nomes por trás de uma das maiores redes varejistas do país. Com lucros cada vez maiores a cada trimestre, o Magazine Luiza conseguiu driblar e crise e manter a sua atratividade para os clientes. Mas além dos bons resultados financeiros, Luiza também comemora o sucesso do grupo “Mulheres do Brasil”, criado por ela em 2013, o qual reúne dezenas de executivas de diversos segmentos da economia, e atua em conjunto com ONGs e instituições sem fins lucrativos que prestam auxílio as mulheres vítimas de violência, e também promovem o acesso a educação, saúde e cultura para jovens mulheres.

– Mônica Orcioli

Nos anos em que está na direção-geral da joalheria Swarovski na América Latina, Mônica Orcioli conseguiu triplicar os negócios da marca no país, mesmo em um período complicado e de recessão. Segundo ela, não existe segredo para os bons resultados, e sim um extenso planejamento desenvolvido por toda a equipe, a qual deve estar apta para lidar com qualquer cenário econômico. Além da formação acadêmica na Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), Mônica também é formada em balé clássico pela Royal Academy, e credita ao balé a sua disciplina e capacidade de tomar decisões rapidamente.

– Paula Bellizia

Após uma passagem pela Microsoft Brasil no início dos anos 2000, no cargo de gerente de vendas, Paula Bellizia passou por grandes empresas como Apple e Facebook, antes de retornar para a companhia responsável pelo sistema Windows há alguns anos, na função de CEO da empresa no Brasil. Com uma gestão que valoriza especialmente o conhecimento, Paula lidera a Microsoft em um momento de grandes transformações, em que a gigante em tecnologia está se expandindo para novos rumos, como inteligência artificial e serviços de armazenamento de dados na nuvem, com o intuito de demonstrar ao mercado que a empresa não está estagnada e pode se adaptar as novas demandas tecnológicas dos usuários

– Paula Paschoal

Como atual diretora-geral do Paypal no Brasil, Paula Paschoal vive e respira inovação, tendo assumido um importante cargo de direção na companhia de pagamentos desde que a mesma entrou no país, em 2010. Com foco no aumento das vendas feitas em esfera digital, o Paypal enxerga um imenso potencial no público brasileiro, e tem tudo para se tornar uma das principais formas de pagamento online, algo que Paula e sua equipe, a qual é formada igualmente por homens e mulheres em cargos de liderança, trabalham de forma incessante para alcançar.

Da redação da Vogue – Como foi a Semana de Moda de Paris, tendências que chegaram às ruas e quem é Donata Meirelles

Quem acompanha o mundo da moda deve ter acompanhado a última Semana de Moda de Paris, a PFW. Veja um resumo como foram os desfiles de outono e inverno, as peças e estilos que chegaram às ruas e um pouco mais da editora de estilo da Vogue, a diva Donata Meirelles. Boa leitura!

A coleção de Rok Hwang pela Rokh abriu a passarela com cortes elegantes, que acentuam linhas marcantes com um grafismo muito elegante. Bruno Sialelli fez seu primeiro desfile com a Lanvin e estreou bem. Antes, o diretor criativo estava na Lanvin.

O destaque do primeiro dia foi a inglesa Louise Trotter pela Lacoste. A diretora criativa é a primeira mulher a apresentar uma coleção completa da maison francesa que este ano fez 85 anos de história.

Os designers holandeses Lisi Herrebrugh e Rushemy Botter também estrearam na Semana de Moda de Paris. Bem recebida pelo público, a coleção não é a primeira dos dois a surpreender. Em 2018, eles venceram o Première Vision de 2018, que é só o prêmio mais desejado entre os novos designers do continente europeu.

Depois de focar seus esforços em seu próprio projeto digital, Arnaud Vaillant e Sébastien Meyer lançaram na PFW sua própria marca, a Coperni nesta PFW. Os designers, que vieram de um longo período na Courrèges mostraram um desfile mesclou sofisticação e simplicidade, agregando elementos reais com digitais. A Yazbukey também surpreendeu com um conceito cheio de cores e uma abordagem mais lúdica.

Pela Heritage, Hed S. apresentou seu segundo desfile na PFW. Na Valentino, o desfile de Pierpaolo Piccioli foi muito aguardado, contudo outra coleção chamou mais a atenção e levou muitos presentes às lágrimas, como a modelo Naomi Campbell e a cantora Celine Dion. Foi o desfile póstumo de Karl Lagerfeld para a Chanel, que acabou fechando a semana.

A Semana de Moda de Paris foi marcada pelo posicionamento de muitas maisons contra a utilização de pele animal em suas coleções. Para isso, foram desenvolvidas novos tecidos e abordagens, muitas delas inovadoras. A Mugler apresentou sua pré – coleção com peças inovadoras em crepe sintético, neoprene e tecido de compressão.

A Courrèges – marca recém comprada pelo grupo Kering também se posicionou em favor do uso de materiais sustentáveis anunciando que não vão mais empregar materiais como vinil ou plástico. Para Noémie Balmat muitas das marcas europeias já equilibram moda com a ecologia. A consultora é uma ativista e atua com as empresas para encontrar soluções éticas.

O que chegou às ruas

Muito dos desfiles da PFW viraram inspirações de looks e composições para o público comum que quer se manter atualizado. Vamos a algumas tendências:

Look metálico

O look metálico já foi visto como ousado ou futurista, usado principalmente em festas e por celebridades em roupas pra lá de extravagantes. Hoje ele é aceito e vem com muita força depois Semana de Moda de Paris, principalmente em tecidos metálicos de casacos, sobretudos e outras peças mais pesadas.

Como o calor do Brasil não favorece, o ideal é apostar em peças mais leves como blusas, vestidos e kimonos para garantir maior leveza à composição.

Blazer que vira vestido

Seu blazer esquecido no guarda-roupas vai sair de lá. Uma das apostas da estação outono e inverno é usá-lo como vestido, em uma peça versátil. A ideia é usar acessórios como cintos e amarrações para completar o look e deixá-lo mais popular.

Jeans com Jeans

O jeans não sai de moda, ele é repaginado e sempre fica em evidência. Desta vez, a tendência é a combinação de duas peças com lavagens e cortes semelhantes. Calça com jaqueta, saia com colete, entre outras. A regra é combinar peças da mesma lavagem, independente do estilo, se vintage ou contemporâneo.

Quem é Donata Meirelles

É uma das personalidades da moda de luxo brasileira e que hoje trabalha como diretora de estilo da Vogue Brasil. Donata Meirelles construiu seu nome quando trabalhou na Daslu, boutique de luxo em que trabalhou por 23 anos.

Na Daslu, Donata foi vendedora, diretora geral e compradora internacional, responsável por definir quais marcas seriam vendidas pela boutique. Também respondia por mais de 400 colaboradores da empresa e viajava mais de oito vezes por ano para comparecer aos principais desfiles e semanas de moda do mundo.

Donata é casada com o empresário e publicitário Nizan Guanaes, seu segundo marido. Com o primeiro, Pedro Bordon, teve dois filhos, Helena Bordon e José Irineu. Helena acabou sendo influenciada pela mãe e hoje tem sua marca de roupas e acessórios chamada 284.

Como diretora de estilo da Vogue, diz que sua missão é trazer a visão da leitora para a publicação. Nos últimos anos, mergulhou de cabeça nos eventos promovidos pela revista e para isso uma plataforma em que ela e outros profissionais foi desenvolvida, assim percorrem todo o país promovendo ações, workshops, entre outros eventos.

Conheça mais sobre carreira e a vida da fashionista Donata Meirelles

Donata Meirelles, nascida no dia 7 de janeiro de 1969, é um dos grandes nomes do Brasil no que diz respeito ao mundo da moda. Sem atuar como estilista, mas sim com trabalho voltado para tendências e estilo, conseguiu adquirir grande know-how na indústria fashion do país.

A brasileira é filha de PG Meirelles, como é conhecido o jogador de Pólo, Plácido Gonçalves Meirelles, um dos primeiros a praticar o esporte no Brasil em 1949. Além de também ter ajudado a difundir o esporte em vários países da América do Sul, PG fundou o primeiro time brasileiro de Pólo, o Sam Martino.

Helena Bordon, filha do seu primeiro marido Pedro Bordon Neto, presidente do Helvetia Pólo Country Club, tem o perfil semelhante ao da mãe. Também envolvida com o universo da moda, Helena desempenha a função de influenciadora digital, já tendo participado de várias campanhas e estampado algumas capas de revistas. Por seguirem o mesmo caminho, mãe e filha desenvolveram juntas a grife 284. De seu primeiro casamento também nasceu José Irineu, 12 anos mais novo que sua irmã.

Seu segundo casamento com o empresário e publicitário Nizan Guanaes durou cerca de 7 anos. Após uma separação amigável, o casal se reaproximou e investiu em um novo namoro, sem descartar a possibilidade de reatar o matrimônio.

O ativismo social é baste presente em sua vida. Donata participa de muitas ações filantrópicas como eventos promovidos pela Brazil Fundation, que destina suas arrecadações para causas sociais do Brasil, pela ONG Amfar, que encaminha os recursos adquiridos para pesquisas sobre a Aids, e por outras entidades. Além disso, Donata é criadora da Women in the World, fundação esta que apoia várias ONGs, como as próprias Amfar e Brazil Fundation. Diante de sua ativa contribuição com as organizações, Meirelles foi homenageada algumas vezes e premiada, em 2014, pela Amfar por sua “defesa pública” em prol das pessoas portadoras de Aids e HIV.

Donata Meirelles está no segmento de moda há mais de 30 anos. Sua história de sucesso rendeu prêmios e reconhecimentos ao longo de sua trajetória. Um dos reconhecimentos por sua dedicação foi o Troféu iG Moda de Fashionista, recebido em 2011. Outro destaque que recebeu por seus anos de atuação e bom desempenho profissional foi ter aparecido no ranking da Forbes entre as mulheres mais poderosas do Brasil. Nesse ranking foram selecionadas 40 mulheres que estando à frente de negócios conseguiram se sobressair ante as suas elevadas performances profissionais.

Foi enquanto estudava economia que Donata mergulhou no universo da moda. Ainda como cliente, Meirelles recebeu o convite para trabalhar na famosa butique Daslu. Depois de um tempo trabalhando como vendedora no luxuoso magazine decidiu parar a faculdade para se dedicar exclusivamente ao segmento fashion. No decorrer dos 23 anos em que esteve na butique de luxo tornou-se a compradora internacional das mais renomadas marcas do mundo. Essa função a conduziu ao reconhecimento mundial que rendeu uma indicação para o ranking de classificação dos 5 melhores compradores internacionais através da L’officiel, uma revista francesa de moda.

Apesar de ter sido o braço direito no gerenciamento da butique apelidada de “Templo do Luxo” e “Meca dos Estilistas”, onde chegou a coordenar cerca de 400 colaboradores, a ex-diretora da Daslu faz questão de ressaltar que nunca foi sócia. Sua ampla rede de contatos criadas por suas atividades exercidas permitiram que Donata chegasse a comparecer em 8 desfiles ocorridos em vários países.

Depois de se manter por um período longe do mercado de trabalho, para se recuperar do desgaste profissional vivido na Daslu, em 2011, Donata Meirelles ingressou em um projeto bastante desafiador. Daniela Falcão, diretora-geral da Globo Condé Nast, foi a responsável por convidar Donata para assumir a função de diretora de Estilo na revista Vogue, cargo, até o momento, inexistente no Brasil.

Mesmo sem ser jornalista, Donata conseguiu desempenhar a função de modo bastante satisfatório devido a sua vasta expertise no universo da moda. De acordo com sua opinião, ser uma diretora de Estilo representa contribuir com a visão da marca com novas ideias e abordagens para o alcance do sucesso da revista. Segundo o seu entendimento, a sua missão era cooperar com a revista por meio de uma ótica diferente, ou seja, oferecer um “olhar de leitora”.

Com o objetivo de gerar receita para a marca, a paulistana aceitou o grande desafio de “pensar fora da casinha” e, juntamente com uma equipe de profissionais, seguiu em um ousado projeto de eventos onde palestras e ações eram realizadas em diferentes cidades brasileiras. Além de diretora de Estilo, Donata Meirelles também exerceu a função de apresentadora do programa “Quero Já”, da TV Vogue.

Após uma forte polêmica que rendeu grande repercussão na mídia por um caso ocorrido em sua vida pessoal, Donata se desligou da empresa entre os meses fevereiro e março de 2019.

Donata Meirelles destaca como a cidade de São Paulo é relevante para a produção de moda

Conhecida há muito tempo como “A terra da garoa”, a cidade de São Paulo impressiona por suas dimensões. Além do território, que possui grande extensão, as grandes proporções também podem ser observadas no fato desta ser populosa. Recebendo diariamente pessoas de todas as regiões do país (e também do exterior), a capital paulista é também celeiro de grandes nomes da moda, frisa a empresária do ramo, Donata Meirelles. Com uma vasta bagagem no meio fashion, ela traz a relevância da maior cidade brasileira para o desenvolvimento do setor.

Quem pensa em São Paulo costuma associar a imagem da cidade à agitação e reunião de várias indústrias. A empreendedora explica que esta forma de se pensar não é errada quando o assunto é o município em questão, mas há muito mais dentro dessa metrópole. A grande variedade de estilos atua como uma via de mão dupla: tais pessoas expõem a moda que é produzida e ao mesmo tempo são responsáveis pela inspiração que produzem nos criadores de diversos artigos fashion. É como se o objeto que motiva a criação se tornasse em algum momento o próprio mercado consumidor.

Como se não fosse o bastante a cidade conseguir reunir harmoniosamente estilos dos mais variados, ela também recebe alguns dos mais expressivos eventos de moda. O mais destacado é o São Paulo Fashion Week, que encontrou solo fértil para reunir relevantes nomes da moda nacional e internacional. Os destaques ocorrem tanto por conta da chegada de estilistas, quando de modelos e outras celebridades que são parte do público desse encontro fashion. Outros eventos também colorem o cenário da moda paulistana, que se mostra inserida de forma local e global, assim como ocorre em outros setores da sociedade.

A metrópole que não dorme é uma das mais velozes em se tratando da produção de artigos de moda. Pode-se compreender essa celeridade em processos de criação e produções em série a partir de um mesmo projeto. Seja no chamado mercado de “fast-fashion” ou no desenvolvimento de peças conceituais, Donata Meirelles informa que a velocidade é parceira do que se propõe a ser apresentado ao mercado consumidor, de forma que as coleções costumam se renovar em períodos curtos de tempo, apresentando sempre algo de diferente e atual à uma clientela igualmente ávida por novidades desse campo.

A área da publicidade é uma das responsáveis para que o restante do país possa conhecer o que é produzido na cidade de São Paulo. Desse modo, o que é criado na cidade chega ao conhecimento das pessoas de outra localidade de maneira rápida. A divulgação por meio das ações publicitárias é determinante para o sucesso das coleções de moda, ainda que o talento de quem as produz fale por si só em muitas ocasiões , destaca a brasileira. As compras através da internet, segundo destaca Donata Meirelles, são a comprovação de que as práticas de marketing têm se tornado efetivas nesse segmento

Os movimentos que se desenvolvem no município em questão são de várias naturezas. As ações de arte mostram expressiva influência sobre o que é adotado como moda dentro da cidade. É fato que existem peculiaridades na forma de se vestir dentro dos vários grupos sociais que a cidade de São Paulo possui e essa variedade favorece com que haja uma valorização cultural de alguns movimentos. A música, conforme ressalta a empreendedora, surge atrelada à criação de moda característica de algumas áreas da cidade, tornando-se tendência em outras regiões do país.

Que a cultura está de alguma maneira envolvida com o que se adota como tendência fashion, vale ressaltar que há várias vertentes da moda convivendo em harmonia dentro de um mesmo espaço. Basta que se dê uma volta pelas mais movimentadas avenidas de São Paulo para se perceber que pessoas em ternos bem cortados dividem território com jovens fantasiados de seus personagens favoritos. O cosplay, assim como a alfaiataria, consegue encontrar lugar na mesma cidade, de modo que esse contraste é algo costumeiro e que permite com que haja liberdade de se criar peças que atendam públicos diferentes.

Em virtude de ser reconhecido como um lugar que produz oportunidades de trabalho, o município de São Paulo consegue atrais indivíduos provenientes de culturas das mais diversas, salienta Donata Meirelles. Tal variedade não se limita a pessoas que chegam de outros estados. Há estrangeiros em busca de atividades turísticas e até mesmo os que almejam reconstruir a vida na cidade. A empresário enfatiza que esse grande número de influências culturais se reflete cada vez mais no que é produzido no meio fashion.

Assim como ocorre com a alta costura, os movimentos populares da moda são vistos na capital paulista. O Brás, por exemplo, é uma região da cidade que reúne vendedores e um grande número de clientes diariamente. Em se tratando de datas comemorativas, a movimentação na área se torna ainda maior, já que muitos profissionais vêm em busca de produtos para a revenda em outras cidades.

Processo que dará origem à construção da ferrovia EF-170 tem início no país, por Felipe Montoro Jens

A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), entidade ligada ao governo federal, responsável pela fiscalização das condições de transporte no país, divulgou em 2017 informações sobre as obras da ferrovia Ferrogrão, oficialmente mencionada como EF-170. Quem reporta a notícia é Felipe Montoro Jens, executivo Especialista em Projetos de Infraestrutura.

Devido ao tamanho que se espera que a ferrovia venha a ter, vale salientar que esta compreenderá regiões distintas do território brasileiro. Assim sendo, operadores logísticos do país terão mais essa opção de transporte, que transitará pelos estados do Matogrosso e do Pará. Felipe Montoro Jens esclarece que já se cogita a realização da escolha da empresa concessionária com o planejamento de um leilão público para que isso possa se concretizar em breve.

O regime de contratação da companhia que construirá a Ferrogrão será o de concessão, pontua o executivo Felipe Montoro Jens. Esta, por sua vez, será firmada considerando-se um intervalo de tempo de 65 anos. Para consegui ser escolhida, a empresa deverá ter condições financeiras e estratégicas que possibilitem a outorga de valores satisfatórios às demandas públicas.

Felipe Montoro Jens aponta que, em um primeiro momento, todos os esforços da concessionária estarão direcionados à conclusão da obra. Após esta fase inicial, contudo, já serão definidas as demais atribuições que caberão à companhia escolhida. O especialista em projetos de infraestrutura noticia que já se sabe que as atividades operacionais também deverão ser feitas pela mesma organização.

Haverá um investimento inicial de cerca de 12 bilhões de reais a fim de que a obra da EF-170 possa de fato ser iniciada, alerta Felipe Montoro Jens. O montante, conforme explica o executivo, é originário de uma ação do governo federal. Com isso, o que se espera é que uma quantidade expressiva de produtos possa ser transportada pelo corredor ferroviário que se planeja construir.

Conheça a biografia do especialista em infraestrutura Felipe Montoro Jens.

Trump anuncia aumento de tarifas para 25% em produtos importados da China

O governo dos Estados Unidos anunciou no dia 5 de maio de 2019 que as tarifas sobre os US$ 200 bilhões de produtos chineses importados anualmente aumentarão para 25%. O anúncio foi feito pelo presidente dos Estados Unidos Donald Trump.

De acordo com o presidente, que divulgou notícias e outros dados sobre o aumento das tarifas em suas redes sociais, anteriormente ao anúncio as importações de produtos tecnológicos até US$ 50 bilhões tinham tarifa de 25%. No entanto, quando o valor alcançava os US$ 200 bilhões, as tarifas eram reduzidas para uma cobrança de 10%. Ainda nas redes sociais, Trump informou: “As tarifas irão de 10% até 25% ainda nesta sexta-feira”. O dia em que Trump estava se referindo era o dia 10 de maio deste ano. Trump também lamentou nas redes sociais que as negociações comerciais entre os Estados Unidos e a China estão avançando lentamente.

Desde que Trump se tornou presidente ele alega que a China tem gerado há anos o chamado “déficit comercial”, que é o desequilíbrio entre o volume exportado e importado pelo país. De acordo com Trump, a China tem proporcionado esse desequilíbrio através do roubo de propriedade intelectual, alegando que o país asiático viola segredos comerciais de companhias americanas, tornando a disputa comercial com o restante do mundo desleal.

Considerando essas alegações, Trump criou até mesmo uma campanha para combater os produtos comercializados com o selo “made in China”. Como resposta, vários países aderiram ao protesto contra produtos falsificados.

Para aliviar o déficit comercial, o governo americano tinha estabelecido uma meta de redução de US$ 100 bilhões de produtos importados da China. Tudo isso para reduzir o rombo da economia americana calculado por Trump de US$ 500 bilhões de produtos importados do país asiático. No entanto, há controvérsia sobre os dados divulgados por Trump. Na opinião da China, o rombo chega a US$ 275,8 bilhões todos os anos. Já nos dados oficiais divulgados pelos Estados Unidos o rombo é de US$ 375 bilhões por ano.

Neste ano, os Estados Unidos já tinham anunciado tarifas no valor de US$ 50 bilhões sobre a importação de 1,3 mil produtos do país asiático. O anúncio feito em abril deste ano informou que as tarifas seriam cobradas por causa da violação a propriedade intelectual. A China respondeu à taxação impondo tarifas de 25% em relação aos 128 produtos que são importados dos Estados Unidos, o que inclui carne, carros, soja, aviões e produtos químicos.

Quando o trabalho criativo é rejeitado

Todo mundo espera aproveitar sua criatividade, todo mundo quer sentar uma hora por dia atrás de uma mesa para justificar viagens para o mar e caminha na floresta. Você tem que recarregar as baterias, ou passar o bloco do escritor. Na realidade, o trabalho criativo deve superar uma série de problemas.

Problemas que não dizem respeito apenas ao aspecto econômico, mas também à organização de negócios com os clientes. Não criamos tabelas com base em um modelo predeterminado: trabalhamos com ideias. O cliente nos pede algo – uma manchete, um nome, um pagamento, um logotipo ou um gráfico – e devemos propor.

Precisamos dar nossa contribuição que pode e deve ser avaliada. Estamos no mundo das hipóteses, gostos, possibilidades. Criar um slogan não significa executar uma operação matemática com um resultado certo ou errado: o cliente pode recusar e devolver o trabalho. Você pode fazer isso?

Claro. Ele está em seus direitos, ele pode e deve fazê-lo. Você tem que ser o único a colocar todas as ferramentas no lugar para otimizar o tempo, as etapas e os saldos do trabalho criativo. Como? Aqui estão dicas essenciais para obter o máximo sem perder tempo. E talvez ganhe mais com trabalho criativo.

A importância da rejeição – Antes de começar, quero enfatizar um ponto: a recusa do cliente está na ordem das coisas. É seu direito fazê-lo, especialmente quando ele discute os pontos. Os trabalhos são assim, pegar ou largar. Não há resultado a priori, você tem que criar a alquimia certa. Uma alquimia que ninguém explica, não há livros que ilustrem esse ponto.

Só posso dizer que o cliente não pode prosseguir indefinidamente em direção ao desperdício contínuo. Mas certamente pode desafiar – com educação e bom senso – o primeiro emprego. Cabe a você transformar este momento em uma fase de crescimento e, acima de tudo, limitar o dano o máximo possível.

Encontre o máximo de informação possível – O primeiro ponto é essencial: você precisa encontrar o máximo de informações possível. No sentido de que você tem que colocar o cliente sob pressão, você precisa conhecer os valores, os objetivos, a própria essência da empresa. Você não pode continuar cegamente, trabalhando sem um parâmetro ou uma linha.

Trabalhar para blogueiros

Procurando trabalho como um blogueiro pago, você quer ganhar dinheiro com sua paixão. Você quer tornar suas habilidades lucrativas: boa redação. Claro, não é fácil no começo e tudo começa com um simples diário online. Um espaço onde você reúne suas idéias. Então, lentamente, tudo toma forma. E abra um blog profissional.

Compre uma hospedagem WordPress e um domínio, faça o upload do CMS e crie uma plataforma para publicar seus artigos. Mas agora você quer ganhar dinheiro com o blog. Você quer aproveitar ao máximo o que aprendeu, mas o começo é difícil. Sempre e para todos. E então você começa a navegar pelas páginas: procurando por blogueiros pagos, procurando por blogueiros de moda, blogueiros de culinária, blogueiros de viagens. Mas o que são anúncios de emprego sérios?

Antes de começar a olhar anúncios de emprego com “bloggers pagos queridos” é certo ajustar o tiro. Primeiro de tudo, sugiro que você faça um mínimo de marca pessoal.

E então otimizar tudo relacionado ao seu perfil público: você ainda não é um blogueiro profissional, mas precisa se apresentar como tal. Website, blog, contas sociais como Facebook e LinkedIn: essas plataformas devem estar alinhadas e otimizadas.

As pessoas chegam ao seu perfil no Facebook e precisam entender que são confrontadas com uma pessoa que mastiga pão e escreve todos os dias. Então você tem que acompanhar as ofertas de emprego que oferecem trabalho para o colunista em casa ou no escritório. Como? Use os Alertas do Google, insira a palavra-chave de seu interesse (como um blogueiro de moda queria, procure um blogueiro de viagens e procure por blogueiros de culinária) e leia seu e-mail. Os relatórios virão com a lista de links de anúncios dedicados.

Você quer encontrar trabalho como blogueiro? Assumir a situação e não depender de quem tem que passar pelos trabalhos. Você não precisa procurar clientes. Eles devem estar vindo para você. Apenas para começar. Se você continuar perseguindo o “trabalho desejado, blogueiros sérios, pagos e caseiros”, corre o risco de permanecer em um círculo vicioso. O caminho a seguir? Continue fazendo a bagunça, mas enquanto isso, alimente seu blog. Seu projeto e seus negócios. Faça crescer e encontre clientes sem o suporte de sites.

Como se tornar um treinador de sucesso

Entre as características do treinador está a sua capacidade de trabalhar com clareza, para escolher os melhores suportes para esse público. Não para todos, não precisa ser um divulgador científico. O treinador decidiu falar com aqueles que estão dando seus primeiros passos no mundo dos blogs? Ele deve se fazer entender por essas pessoas. Você quer organizar um curso avançado de SEO? Alterar log, clareza tem outro significado.

 

Trabalhe na teoria

Um ponto de partida banal, mas certo? Entre as principais características do formador está o conhecimento teórico sobre o assunto. Isso significa que é capaz de definir os limites de seu assunto, que pode ter uma competência geral em todos os pontos e nas percepções sobre um tema específico.

 

Quem faz treinamento deve ter uma base. Ele deve estudar os pilares de seu assunto e aprofundar nos negócios. Pode ser feito horizontalmente ou verticalmente, isto é, expandindo o assunto para alcançar temas vizinhos ou aprofundando o tema inicial tanto quanto possível. Em qualquer caso, deve ter bases sólidas para dar as respostas certas às pessoas que o escolhem para fazer o treinamento.

Foco na educação continuada – Quem faz treinamento deve se especializar: é a base para quem quer fazer esse trabalho. Você não pode ensinar se você não olhar para o futuro, se você não pode melhorar o seu conhecimento ao longo do tempo. Os materiais mudam à velocidade da luz, o SMM evolui dia a dia. A redação também, para não mencionar o SEO. As características do treinador também incluem a humildade e a consciência de precisar de um colega.

Não esqueça a prática – A teoria não deve estar faltando, mas você sabe o que faz a diferença entre as características do treinador? A prática. Aqueles que trabalham neste campo devem sempre manter um pé na vida cotidiana, deve ser um profissional que trabalha todos os dias. E isso tem oportunidades de discussão com colegas.

Eu não sou extremista, não acredito apenas na teoria ou na prática. Há um meio feliz: aqueles que investem em treinamento precisam de respostas claras, mas também noções concretas. Formulado por aqueles que sujam as mãos todos os dias e têm experiência no campo. Resolvendo problemas e trazendo resultados.